Mensagem do Presidente
Mensagem do Presidente

Alfredo Egydio Arruda Villela Filho, Presidente

Mensagem do Presidente

“A Itaúsa vem trabalhando para ter certeza de que a sua Visão de Sustentabilidade é compreendida, aplicada e disseminada em todas as empresas. E estamos fazendo isso de forma abrangente, enfrentando aspectos como cultura organizacional, políticas de sucessão, remuneração, e de decisão de investimento.”

O ano de 2011, apesar das incertezas econômicas na Europa e do aumento da inadimplência no mercado interno, se encerrou com conquistas expressivas para a Itaúsa e as suas controladas. E os números foram muito consistentes: o lucro líquido do ano foi de R$ 4,8 bilhões e o patrimônio líquido em 31/12/2011 era de R$ 29,3 bilhões. O total de ativos no final do período somou R$ 31,0 bilhões, sendo que desse valor, R$ 29,0 bilhões representavam nossa participação nas empresas controladas, reafirmando a nossa vocação, responsabilidade e confiança no Brasil, no mercado produtivo e nas companhias abertas.

Os resultados financeiros vêm propiciando o crescimento consistente do banco e das empresas. E tudo isso é fruto de muito trabalho, pautado pelos princípios e valores que norteiam a Itaúsa nos seus 45 anos de existência. É dessa maneira que continuaremos construindo e fortalecendo a cada dia, com transparência, ética, respeito ao ser humano e determinação para fazer bem feito e com embasamento; as nossas bases que irão perenizar essas escolhas para as gerações futuras.

Um dos diferenciais desse caminho está no modelo de Governança Corporativa que vem, ao longo da história, permitindo a cada negócio traçar suas estratégias de maneira consistente. Esse modelo demonstra a capacidade da holding de imprimir sinergia, proporcionar o amadurecimento dos conselhos, desenvolver e implementar processos mais claros, rápidos e modernos. Com isso, é possível otimizar a autonomia das controladas, para que elas tenham condições de crescer com sustentabilidade, refletindo em benefícios para as pessoas, as empresas, a sociedade e o meio ambiente.

Em 2011, foram concluídos importantes e bem-sucedidos desafios de expansão. O primeiro consolidou a integração entre o Itaú e o Unibanco, criando um novo banco com o melhor das duas instituições. No período em que esse ciclo, iniciado há três anos se encerrou, o Itaú Unibanco atingiu um lucro líquido de R$ 13,8 bilhões e um crescimento de 18,2% em relação ao exercício anterior. Ao completar 60 anos de vida, também no ano passado, a Duratex teve um lucro líquido de R$ 372 milhões, e investiu R$ 635 milhões no aumento de sua capacidade produtiva, em todos os segmentos de atuação, metais e louças sanitárias e painéis de madeira industrializada. A Elekeiroz, por sua vez, ampliou em 70% a capacidade de produção de ácido 2-etil hexanoico. Também aumentou em 20% a produção da unidade de gás oxo, o que garante a autossuficiência dessa matéria-prima.

Já na Itautec foram direcionados R$ 68,7 milhões em P&D, o que possibilitou o lançamento de produtos inovadores e alinhados às mais avançadas tecnologias disponíveis no mercado. Também investimos R$ 13,5 milhões em imobilizado operacional, com destaque para a expansão da fábrica de cofres.

Temos trabalhado para ter certeza de que nossa visão de sustentabilidade é compreendida, aplicada e disseminada em todas as empresas. E estamos fazendo isso de forma abrangente, enfrentando aspectos como cultura organizacional, políticas de sucessão, remuneração, e de decisão de investimento, constantemente implantando novas dinâmicas a partir das oportunidades observadas, dos resultados atingidos, avaliações dos funcionamentos dos comitês e conselhos. Por exemplo, na Elekeiroz, a Itaúsa dedicou, no ano passado, tempo e energia para estruturar um programa de sucessão do CEO. Trata-se de um importante avanço que levará benefícios não apenas para a empresa, mas para todo o Conglomerado Itaúsa. GRI 1.1

Outra decisão substancial para as empresas industriais que compõem a Itaúsa e sob a influência do Conselho de Administração foi, em 2010, a contratação de consultorias externas (BCG e Bain), que impactaram o planejamento estratégico de 2011. Atualmente, a discussão estratégica continua com mais vigor e permeando as diversas áreas e instâncias de cada empresa, já sem a ajuda das consultorias.

No que se refere às pessoas – fortalecimento nas políticas de recursos humanos –, destacamos o avanço nos processos de avaliação de desempenho e de remuneração. Dedicamos especial atenção na composição de nossos quadros executivos e técnicos, mesclando a experiência e habilidade de nossos melhores profissionais a novos talentos do mercado.

Também estamos revisando a cultura das empresas, no sentido de fortalecer os valores que são os pilares da Itaúsa, além de agregar ou aprimorar conceitos que abranjam os objetivos comuns do Conglomerado Itaúsa. Com isso, buscamos o alinhamento estratégico necessário para nos mantermos, cada vez mais, motivados e produtivos. Nesse sentido, tanto no banco como em todas as empresas, estamos dando mais peso no foco ao cliente (está explícito na missão do banco) e ao colaborador. No banco, temos desenvolvido um amplo trabalho de sustentação da nova cultura e do Nosso Jeito de Fazer, somado à evolução nos processos de avaliação de desempenho, remuneração e treinamento.

Enfim, a Itaúsa continuará empenhada em fazer de suas controladas, organizações mais rentáveis, éticas e sustentáveis. Boa leitura.

Alfredo Egydio Arruda Villela Filho
Presidente

>> voltar ao topo